Novo método com biomarcadores proteicos poderá prever quem terá a forma letal da dengue


TEXAS - Pesquisadores da Universidade do Texas desenvolveram o primeiro modelo eficaz para diferenciar a dengue de sua forma mais severa, a dengue hemorrágica, e prever que poderá desenvolvê-la. O método, que pode reduzir drasticamente o número de mortes pela doença e levar a um tratamento personalizado, foi divulgado nas publicações especializadas ???The American Jornal of Tropical Medicine and Hygiene??? e ???Clinical and Translational Science???.


Aproximadamente 2,5 bilhões de pessoas ??? mais de 40% da população mundial ??? estão sob a ameaça de contrair dengue, principalmente nas regiões tropicais e subtropicais. Cerca de 500 mil pessoas são hospitalizadas por causa da doença todos os anos, entre elas, um grande número de crianças, e cerca de 12.500 delas morrem. Nas Américas, ela vem crescendo ??? foram 1,6 milhão de casos em 2010 ??? devido à crescente urbanização, ao aumento do tráfego internacional de passageiros e à redução da utilização do pesticida DDT. No Brasil, foram cerca de 106 mil casos em 2011.


???Sabemos há muito tempo que a dengue tem muitas manifestações, da forma assintomática ou semelhante a uma gripe até a que representa risco de vida. Se pudermos descobrir antecipadamente a suscetibilidade de um paciente à forma que leva à morte, poderemos salvar milhares de vidas???, disse o principal autor do estudo, o médico Allan Brasier, que trabalhou com uma equipe multidisciplinar.


Se for possível prever que pacientes poderão ter dengue hemorrágica, terapias preventivas como transfusões de sangue para evitar complicações oriundas de hemorragias e falência de órgãos reduziriam as taxas de mortalidade de 20% para menos de 1%.


Os pesquisadores avaliaram dois tipos de análise, uma largamente usada em laboratórios e outra mais complexa, para identificar possíveis biomarcadores proteicos.


Eles descobriram que a citocina IL-10 (uma proteína envolvida na resposta imunológica), a redução de plaquetas e a contagem de linfócitos eram peças-chave para revelar a possibilidade de haver dengue hemorrágica. Uma investigação mais profunda levou a um modelo eficaz em 100% dos casos estudados, baseado na IL-10 e em sete proteínas distintas (tropomiosina, complemento 4A, imunoglobulina G, fibrinogênio e três formas de albumina).


???Até agora, não haviam sido descritos biomarcadores da doença. Mas tecnologias proteômicas (estudo em larga escala das proteínas de um organismo) estão mudando isso, e estes estudos são o primeiro passo para se chegar a um approach personalizado no tratamento da dengue???, explicou Brasier.


Nos experimentos, a equipe da universidade teve a colaboração da unidade de pesquisa médica da Marinha americana e de médicos de clínicas e hospitais de Venezuela. Aproximadamente 55 indivíduos com a forma aguda da dengue forneceram amostras de sangue e foram observados. Os pesquisadores analisaram gênero, sinais clínicos (febre e diarreia, por exemplo), índices laboratoriais (contagem de linfócitos e plaquetas, concentração de hemoglobina e contagem de células vermelhas no sangue) e concentrações de citocina.


No primeiro estudo, com as técnicas laboratoriais mais comuns, eles perceberam que concentrações aumentadas de IL-10, a redução de plaquetas e, numa extensão menor, a redução de linfócitos são fontes importantes para predizer a chance de haver dengue hemorrágica ??? foram eficazes em 86% dos casos estudados.


Depois, uma análise proteômica ainda mais profunda foi usada para medir a citocina. Os pesquisadores identificaram mais uma vez a IL-10 como um fator determinante para distinguir entre dengue e dengue hemorrágica. Além disso, sete das 42 proteínas avaliadas mostraram ser úteis para prever a forma hemorrágica: tropomiosina, complemento 4A, imunoglobulina G, fibrinogênio e três formas de albumina.


Análises posteriores indicaram que uma única proteína seria um modo pouco eficaz de distinguir a dengue de sua forma hemorrágica, mas, juntas, as proteínas eram 100% capazes de determinar o tipo de infecção.


???Provamos que é possível identificar proteínas associadas à dengue hemorrágica. Se futuras pesquisas comprovarem este resultado, os médicos poderão agir mais cedo e salvar vidas, o que é a maior esperança trazida pela medicina personalizada???, afirmou Brasier.


Fonte: O Globo online - http://oglobo.globo.com/saude/novo-metodo-podera-prever-quem-tera-forma-letal-da-dengue-3992491#ixzz1mfqyTZqg



Published: 4/10/2015

Inscreva-se





Restricted Area