Termômetros com coluna de mercúrio estarão proibidos a partir de 1º de janeiro de 2019.


O uso de mercúrio será proibido em alguns produtos de saúde em serviços de saúde. A Diretoria Colegiada da Anvisa aprovou, na Reunião Ordinária de 7 de março, medidas para retirar do mercado materiais de saúde que utilizam mercúrio na composição.

A partir de 1º de janeiro de 2019, estará proibida a fabricação, importação e comercialização dos termômetros e medidores de pressão que utilizam coluna de mercúrio para diagnóstico em saúde. A medida também inclui a proibição de uso destes equipamentos em serviços de saúde.

A proibição dos termômetros e dos esfigmomanômetros com coluna de mercúrio, é resultado da Convenção de Minamata. A convenção foi assinada pelo Brasil e mais 140 países em 2013 e tem como objetivo eliminar o uso de mercúrio em diferentes produtos como pilhas, lâmpadas e equipamentos para saúde, entre outros. Os termômetros e esfigmomanômetros com coluna de mercúrio já vêm sendo substituídos no Brasil por outras tecnologias. De acordo com um levantamento de junho de 2016, apenas dois termômetros com coluna de mercúrio tinham registro na Anvisa, enquanto foram identificados 63 registros de termômetros digitais.

Com a proibição da Anvisa, todos os registros de termômetros e medidores de pressão, que utilizam coluna de mercúrio, serão cancelados a partir de 1º de janeiro. Os serviços de saúde deverão realizar o descarte dos resíduos sólidos contendo mercúrio, conforme as normas definidas pela Anvisa (RDC nº 306/2004) e Órgãos Ambientais (Federal e Estadual).

Acesse a íntegra da publicação da ANVISA aqui 



Publicado em: 13/3/2017

Inscreva-se





ÁREA RESTRITA