O Controle Externo da Qualidade e a Excelência de Desempenho Entenda.


De acordo com a RDC 302:2005 da ANVISA, o Controle Externo da Qualidade – CEQ (ou Ensaio de Proficiência), é definido como a ATIVIDADE DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE SISTEMAS ANALÍTICOS ATRAVÉS DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA e o laboratório clínico deve realizar CEQ para TODOS OS EXAMES REALIZADOS EM SUA ROTINA.

A legislação também determina que AS AMOSTRAS DE CONTROLE EXTERNO DA QUALIDADE DEVEM SER ANALISADAS DA MESMA FORMA QUE AS AMOSTRAS DOS PACIENTES.

Ou seja, o objetivo do Controle Externo da Qualidade é verificar o REAL DESEMPENHO DO LABORATÓRIO utilizando as amostras-controle do PRO-EX como uma AMOSTRAGEM dos resultados das amostras dos pacientes do seu laboratório, do que acontece no dia-a-dia.

Portanto, se os resultados do PRO-EX estão corretos, se o seu desempenho for de excelência, os resultados dos seus pacientes também serão.

Mas geralmente o processamento das amostras-controle difere daquele dado às amostras dos pacientes. Muitos laboratórios, visando atingir um alto percentual de acertos na Avaliação Mensal, antes de processarem as amostras abrem kits novos, calibram os equipamentos, fazem os exames em duplicata/triplicata e para as amostras virtuais, vários profissionais da equipe analisam as imagens e discutem o resultado. Às vezes o RT entra em contato com um colega de outro laboratório para verificar se os resultados coincidem!

Você processa as amostras dos pacientes desta maneira, também? Em duplicata, com um kit novo e calibra os equipamentos? A resposta, é claro, é NÃO!

Então, se AS AMOSTRAS DE CONTROLE EXTERNO DA QUALIDADE DEVEM SER ANALISADAS DA MESMA FORMA QUE AS AMOSTRAS DOS PACIENTES, o laboratório descrito acima não está cumprindo este requisito obrigatório pela legislação.

Se você trata as amostras-controle de maneira diferente das amostras dos pacientes, lamentamos informar, mas seu laboratório não conhece seu real desempenho e não pode garantir a excelência nos resultados dos seus pacientes, mesmo que obtenha 100% de acertos no PRO-EX!

Portanto, convidamos você a proceder corretamente a partir de agora, tratando o kit PRO-EX da mesma maneira que trata os pacientes!

Assim que o PRO-EX chegar no seu laboratório (como se fosse o paciente chegando à recepção), cadastre o kit no seu Sistema de Informática Laboratorial – SIL, com a identificação do Lote (p. ex. PRO-EX Lote 385), incluindo todos os exames previstos nas planilhas do PNCQ e gerando os habituais mapas de trabalho, etiquetas, prazos para liberação de resultados e laudos, conferindo assim a rastreabilidade necessária de todos os processos relacionados à amostra-controle, como ocorre com os pacientes. Não existe a coleta, mas sim a reconstituição do material liofilizado com Água Reagente, que deve ser feita conforme as instruções das planilhas. A amostra-controle do PRO-EX deve entrar na rotina laboratorial na ordem sequencial e processada uma única vez! Os critérios de avaliação dos resultados, repetição, etc., devem ser os mesmos aplicados às amostras dos pacientes.

Desta maneira, seu laboratório obterá a real avaliação do seu desempenho e, consequentemente, alcançará a segurança necessária na liberação dos resultados de todos os seus pacientes.

Com estes esclarecimentos, esperamos que você proceda da maneira indicada com o kit PRO-EX no próximo mês e, ao receber a Avaliação Mensal:

· Se seu percentual de acertos indicar um desempenho de excelência, ótimo! Significa que você pode liberar os resultados dos seus pacientes com segurança.

· Se seu percentual de acertos indicar o contrário, significa que ajustes necessitam ser realizados na sua rotina. E se precisar de auxílio, entre em contato conosco!

 Confira em breve mais DICAS DE QUALIDADE!



Publicado em: 24/8/2016

Inscreva-se





ÁREA RESTRITA