Exame de sangue detecta anomalias no desenvolvimento do feto


Cientistas holandeses estão desenvolvendo um exame de sangue pré-natal que seria capaz de detectar com precisão as anormalidades cromossômicas no feto em desenvolvimento. Atualmente, a única maneira confiável de fazer isso é através de amniocentese ou biópsia de vilo corial, que é invasiva e envolve o risco de provocar um aborto. Suzanna Frints, um geneticista clínica do Centro Médico da Universidade de Maastricht, Holanda, e seus colegas foram capazes de usar sondas moleculares e genética para a detecção de DNA pertencente ao feto em amostras de sangue de mulheres grávidas. A equipe usou o Multiplex Ligation-dependent Probe Amplification (MLPA), para detecção do DNA do feto que está presente no sangue das mulheres que estiveram grávidas durante pelo menos seis a oito semanas. O teste de MLPA é parte de um kit existente que já é utilizado em todo o mundo para detectar anormalidades cromossômicas em exames invasivos obtidas do líquido amniótico ou vilosidades coriônicas amostras de mulheres grávidas.

O kit é barato e de uso rápido, com resultados dentro de 24 até 62 horas, mas até agora só foi utilizado em amostras colhidas durante os procedimentos invasivos. Por isso, não se sabia se ele iria trabalhar na célula de ADN fetal existente em amostras de sangue de mulheres grávidas.

Os cientistas têm obtido sucesso na identificação do DNA do cromossomo Y, indicando que o feto é um menino e poderia estar em risco de herdar uma desordem X-lig tais como a distrofia muscular de Duchenne e a hemofilia.

Os cientistas acreditam que o mesmo método pode ser usado para detectar a trissomia 21 (quando um cromossoma 21 extra faz com síndrome de Down) e eles estão investigando este, seguido de trissomia 13 e 18 (responsável por causar síndromes de Patau e de Edward, respectivamente). Dr. Frints disse: "No momento, a confiabilidade do teste é de cerca de 80% devido a resultados falsos-negativos, mas estamos trabalhando para melhorar a precisão da sonda MLPA. Ainda temos de testar e refinar a técnica MLPA ainda mais, mas nossos resultados até agora são promissores. "

Fontes: Labmedica.com e NetMedica


Publicado em: 10/4/2015

Inscreva-se





ÁREA RESTRITA