Caso de Doença de Chagas mostra a importância de um diagnóstico precoce


O recente caso de Doença de Chagas que encurtou a carreira do jogador de futebol Everton Costa, de 29 anos, trouxe à discussão a importância de se ter um diagnóstico confiável em tempo hábil a fim de não comprometer a vida do paciente.


Conforme noticiado pelos sites esportivos, o exame de 10 de agosto de 2013 realizado para concluir o empréstimo ao time do Santos apresentou anticorpos de Chagas, isto é, a presença da doença na forma indeterminada. Por este motivo, o departamento médico não determinou nenhum impeditivo à prática de atividades físicas. Em nota oficial, o clube disse que os exames não apontaram restrições para o jogador, apenas recomendaram a repetição do procedimento a cada seis meses; no mesmo texto foi dito que as alterações foram mantidas em sigilo médico. Todavia, o noticiário aponta que nem o jogador nem o empresário, Jorge Machado, foram informados do diagnóstico da Doença de Chagas.


Meses depois, em 16 de abril de 2014, quando defendia a camisa do Vasco, Everton passou mal em campo e foi afastado por problemas cardiológicos. Sem jogar desde então, o time carioca devolveu o jogador para o Coritiba no final do ano passado e, apenas, no último mês de fevereiro a equipe paranaense anunciou que Everton tem a doença.


Devido à ética médica, nenhum médico pode falar sobre resultados de exames sem a permissão do Everton. Porém, em decorrência do sigilo do time paulista incluindo a omissão ao próprio jogador – segundo o empresário – não ter tido conhecimento sobre a existência da doença mudou o rumo de sua vida.


Segundo o Santos, com o resultado do exame de 2013 bastaria repeti-los a cada seis meses para acompanhar a evolução da doença. Pelo visto, não houve vigília e a doença pode ter gerado consequências no coração.


Este caso demonstra a extrema importância de haver laboratórios que não descuidem do controle de qualidade. O PNCQ oferece amostras soro-controle para Chagas tanto para controle interno (Pro-IN) quanto para controle externo (Pro-EX). 


 


Acesse http://www.pncq.org.br ou entre em contato pelo pncq@pncq.org.br ou (21) 2569-6867



Publicado em: 10/4/2015

Inscreva-se





ÁREA RESTRITA